logo

Tríduo Solene em honra de São João Antonio Farina (3º Dia)

Compartilhe este post

Facebook
LinkedIn
Twitter

III DIA

Pai e Pastor segundo o coração de Deus
Guia: O ícone bíblico que mais ilustra o santo pai e pastor Farina é a breve e intensa descrição do profeta Isaías, ao apresentar o bom Pastor, Jesus, prometido por Deus para libertar o seu povo: “Como um pastor faz o rebanho pastar e com o seu braço o recolhe; carrega os cordeiros no peito e conduz suavemente a mãe ovelha» (Is 40, 11). O santo Fundador é um pastor que usa a força do braço e a ternura materna; tem o cuidado de guiar o rebanho para o melhor pasto: a Palavra e a Eucaristia, para que cada ovelha seja alimentada pela própria vida de Deus; com o poder da verdade, através da pregação e da instrução, mantém unido o seu rebanho, defendendo-o de ataques inimigos; abraça os mais pequeninos e mais débeis cordeiros, assumindo a sua fraqueza com uma solidariedade ativa que o impele ao ponto de dar a vida; não abandona as ovelhas cansadas, mas adapta os seus passos ao seu lento progresso, alimentando no seu coração a confiança e a esperança de que no final do árduo trabalho haverá a ressurreição e a glória de Deus. Ele encarna três movimentos: não age em nome próprio, não é o mercenário, mas é o bom pastor enviado por Deus; trabalha em seu nome, imitando o verdadeiro Pastor, o Senhor Jesus; Ele não procede sozinho, mas em colaboração com os outros pastores, párocos e fiéis. Ela tem apenas um objetivo: a salvação do homem, isto é, a glória de Deus. Portanto, ele defende seu rebanho, procura a ovelha perdida sentindo em sua carne as garras dos animais, o que poderia criar em seu coração o vazio de uma vida perdida.

Nas pegadas evangélicas de Jesus, ele escreve aos fiéis da diocese de Treviso:
“Amados, venho a vós, não na demonstração de dizer ou com a sublimidade da sabedoria mundana (Cfr. 1 Cor 2, 1), venho em nome de Jesus Cristo, venho com o coração, abraçando todos como filhos no amor d’Ele, o primeiro Pai e Pastor das almas. Reuni todas as forças da minha alma, do meu coração e do meu afeto para os orientar para o único fim do vosso bem, e nas minhas orações doentias ofereci-vos no altar do Pai dos corações, para que todos, sem exceção de nenhum, com a sua graça, no devido tempo se salvem; Devo fazer-me a forma e o exemplo de Cristo a todo o seu rebanho» (Carta Pastoral, Treviso, 1851).

E a misericórdia de Deus concederá os seus dons através da mediação do bom Pastor, que veio aqui em baixo para chamar não as almas justas, mas os pecadores, para lutar as guerras das paixões, para lutar nas lutas dos afetos imoderados, para espalhar o fogo e para despertar o fogo da conversão da vida, da reforma dos costumes. Através de vales e montanhas, ele vai em busca das ovelhas extraviadas e, para que ela possa retornar ao seu pasto, deixa todo o rebanho e encontrando-a de novo coloca-a em seu ombro, aquece-a perto de seu coração e leva-a de volta ao recinto fechado” (Carta Pastoral, Vicenza 1860; Carta pastoral, Treviso 1851).

Aos párocos:
“Deixe-me associar-me a vocês. Que a vossa única vontade seja o bem do rebanho que vos foi confiado. Alimentai-o nos pastos sãos, saciai-o das águas da sabedoria, chamai-o sempre de volta, admoestai-o com caridade e perseverança. Não permitais que nem um cordeiro pereça por negligência, pois todos são filhos do Coração de Jesus» (ibid.).

Eis como recomenda os seminaristas que retornaram às suas famílias por razões políticas:
Diante de Deus e dos homens, defendemos o nosso seminário com palavras, obras, orações e lágrimas, e agora fazemo-lo diante de vós: na parte terna do nosso coração suportamos esta ferida mais dolorosa!
Pais de almas, estes que vos recomendamos não são apenas nossos filhos, mas são também vossos filhos, que em breve serão vossos herdeiros, por isso têm direito ao vosso afeto, à vossa orientação, aos vossos cuidados: “Deixai-os vir a vós” (Cfr. Mt 19,14; Carta Pastoral, Vicenza 1866).

“Guardem a terna menina dos nossos olhos, vigiem e guardem os nossos clérigos! Se amamos a Deus, atraímos para o amor de Deus todos aqueles que nos rodeiam na Casa do Senhor e na hierarquia eclesiástica. Não participemos daquele abismo de pecado, que vem de um, indignamente admitido à sagrada ordenação!” (Carta Pastoral, Treviso 1851; Carta Pastoral, Vicenza 1866).

Com a ternura de um pai, invoca a colaboração dos sacerdotes e dos leigos na doutrina cristã:
“Amai, amai muito os filhos, buscai-os em toda a parte, reuni-os e deixai-os rodeá-los de coroas, defendei-os desde a infância de companheiros corruptores, fortificai as suas mentes com o bálsamo da doutrina, observai-as, sondai-as e temei sempre que ninguém, por aventura, não lhes estenda a rede na emboscada. São as joias do coração de Deus, as novas esperanças da sua Igreja, o fundamento das gerações futuras, a honra do país, a prosperidade da terra» (Carta Pastoral, Treviso 1851).

E assim recomenda aos religiosos da diocese de Treviso, empenhados em atividades educativas:
“Aqui vocês são confiados à escola e sob custódia todas as filhas pobres. Alimentem-nas com paciência comprovada, oferecendo-lhes o alimento e o pão de um santo temor de Deus, instilando amor pelo bem, estudo e trabalho, a fuga do mal, o horror da ociosidade e essa selvageria deslumbrante que certamente leva todos à ruína. Metade da humanidade confia seu destino a vocês. A primeira semente da reforma mundial é lançada nas escolas das meninas. Tornaram-se agora mulheres e colocadas pela natureza numa delicada missão, serão as educadoras mais adequadas dos seus filhos, as guardiãs naturais do seu crescimento e dos seus hábitos morais» (Carta Pastoral, Treviso 1851).

Rezemos juntos
Ó Deus Pai, que és a única fonte de santidade, agradecemos-te porque nos deste em São João Antonio Farina um pastor incansável, um mestre corajoso, um pai dos pobres. Alimentados pela Sagrada Escritura e pela divina Eucaristia, ardendo da caridade do Coração do vosso Filho e da Virgem Maria, fizeste-o forte nas provações da vida, cheio de compaixão pelos sofrimentos dos vossos irmãos e irmãs. Seguindo o seu exemplo, concedei-nos amor e fidelidade à Igreja, sentimentos de misericórdia e ternura para vos servir nos pequeninos, nos pobres, nos doentes. Dai-nos o vosso Espírito Santo para colaborar convosco na edificação do vosso Reino e abri de par em par as portas do mundo a Cristo, vosso Filho. Amém!

Você pode gostar de ler

Destaque-Home-CNBB
Nota da Comissão para Ecologia Integral e Mineração sobre a tragédia em RS (CNBB)

Sinais dos tempos “Hipócritas, sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu e, entretanto, não sabeis discernir esta época? E por que não julgais...

horario_avaliacoes_mensais_segunda_unidade
HORÁRIO DE AVALIAÇÕES MENSAIS - 2ª UNIDADE LETIVA (FUNDAMENTAL II)
Preparação para Corpus Christi

PODCAST CORPUS CHRISTI SLZ | EP 1 PODCAST CORPUS CHRISTI SLZ | EP 2        

cronograma_segunda_chamada_bimestral_primeira_unidade_letiva
CRONOGRAMA DE 2ª CHAMADA BIMESTRAL (1ª UNIDADE LETIVA)